Sobre o site

Quando eram colunistas do Digestivo Cultural, Diogo Salles e Rafael Fernandes decidiram criar um espaço exclusivo para debates aprofundados no universo da música. Assim, em 13 de julho de 2009, nasceu o Tungcast, um podcast que se propunha debater a música em alto nível, discutindo artistas, bandas, influências, discos, vinil, shows, movimentos, gêneros e tudo o que fosse ligado ao universo musical. Nesse podcast ficou combinado que nenhum assunto seria tabu. Os meandros da indústria fonográfica, a pirataria, os diferentes formatos e mídias, a incorporação do rock ao sistema publicitário e financeiro, a choradeira dos fãs xiitas e dos músicos que não conseguem se autofinanciar.

Em 2011, resolvemos perguntar ao ouvinte se ele era um geek musical e, assim, meio sem querer, acabamos encontrando o nosso mote. Sim, aqui era — sempre foi — o ponto de encontro dos geeks musicais na internet. Mas essa história ainda teria outros capítulos.
________________________________________________________________________________

Depois de o Tungcast se firmar como o ponto de encontro dos geeks musicais na internet, era natural que a discussão ganhasse um blog. Em julho de 2012, surgiu o Geek Musical, com posts alternados entre dois autores a cada semana. Em 2013, com 1 ano de blog e 4 anos de podcast, avaliamos que este era o momento certo para implementarmos a fusão dos dois projetos, uma vez que eles fazem parte de uma mesma proposta. Inauguramos também o layout em formato “revista eletrônica”, com visual mais moderno e funcional, tendo todas as principais seções lincadas na home e tornando a navegação mais intuitiva.

________________________________________________________________________________

Em novembro de 2015 o site encerrou suas atividades, uma vez que os dois geeks concordaram que ele já cumprira sua missão. Durante seis anos e meio, este foi um espaço onde debatemos visões musicais, conflitamos ideias e, acima de tudo, exercitamos a crítica livre. Ouvintes e leitores, por sua vez, sempre se sentiram à vontade para discordar e criticar, pois o debate só é completo quando todo mundo participa. O acervo de todo o trabalho continua online, disponível para todos refletirem em frente à nossa “lápide”, onde se lê a inscrição “Aqui se debateu música em nível geek”.

A todos que estiveram conosco nessa jornada, nosso muito obrigado
Diogo Salles e Rafael Fernandes