Van Halen: segunda fileira no show do Texas (2012)

> por Eduardo Pinheiro

Nos últimos dias foi anunciado o lançamento de um disco ao vivo do Van Halen, o primeiro oficial com o David Lee Roth nos vocais. Tokyo Dome Live In Concert foi gravado no Japão em junho de 2013 e a princípio será lançado em versões CD e vinil. Não há confirmação de que sairá também em DVD e Bluray (parece que não foi gravado com essa finalidade), mas o show está disponível em vídeo no YouTube, com qualidade razoável. De qualquer maneira, um lançamento ao vivo com o David é uma reivindicação antiga dos fãs, o que aumenta ainda mais a ansiedade.

Esse anúncio me trouxe à memória shows dessa turnê que vi um ano antes, ambos no Texas: um em San Antonio em 22/06/2012 e outro em Houston, dois dias depois. Minha experiência em San Antonio foi fantástica, pois para esse show eu comprei o ingresso VIP, que dava direito a um lugar entre as fileiras 2 e 11, além de alguns brindes e uma visita ao backstage. No local, fomos informados pelo pessoal da Live Nation que o “backstage tour” havia sido cancelado. Porém, a banda decidiu liberar nossa entrada para ver a passagem de som. Sinceramente, acho que essa opção acabou sendo muito melhor que o backstage tour.

No total eram cerca de 100 pessoas e no palco estavam o Eddie, o Wolfgang e o Alex (o David não participa do soundcheck). A emoção de ver os caras de tão perto foi muito forte. Eles tocaram “Unchained”, “Running With The Devil”, “She’s the Woman”, “Tattoo”, “Light Up The Sky” e “China Town”.

Antes de “Light Up the Sky” o Eddie perguntou para nós o que queríamos ouvir. Foi uma gritaria só e cada um pediu uma música diferente. Ele estava sempre sorridente e parecia estar curtindo essa situação. Depois do soundcheck, fomos a outra sala onde eles serviram alguns aperitivos e bebidas. Lá, entregaram o kit com uma sacola personalizada, ingresso, crachá, uma latinha com palhetas comemorativas e uma camiseta exclusiva, que não é vendida na loja oficial do show. Depois, descemos para nos acomodarmos em nossos lugares. Meu lugar era no setor central, na segunda fileira. Um lugar excepcional, pois além de tudo a cadeira à minha frente não foi ocupada.

Às 19h30 entrou no palco o Kool & The Gang (banda de abertura), que fez um show de 40 minutos. É um som totalmente diferente, muito dançante e agradou especialmente ao público feminino. Às 21h entrou o Van Halen e a partir daí vi um show espetacular. O setlist foi basicamente o mesmo de toda a turnê, com 4 músicas do A Different Kind of Truth (“She’s The Woman”, “Tattoo”, “China Town” e “The Trouble With Never”). O Eddie ficou o show inteiro sorrindo e tocou com perfeição em todas as músicas. O Alex também estava perfeito, mas achei o solo dele um pouco fraco, com muita mistura latina. O Wolfgang me surpreendeu nos vocais, mas ele parecia um pouco cansado e sem presença de palco. Ele precisa melhorar essa parte, que é um fator marcante no Michael Anthony, e ainda gera comparações por parte dos fãs. Mas como baixista é excepcional, sem dúvida.


* todas as fotos deste post por Eduardo Pinheiro. Mais fotos aqui

Já o David é um show à parte. O cara tem uma presença de palco absurda e sabe se divertir e divertir a plateia. Sempre mexendo com a mulherada, ele arrancou muitas gargalhadas de todos. Ele não consegue chegar nas notas como antes e às vezes esquece a letra, mas isso tudo é compensado pelo seu carisma. Dois dias depois vi o show de Houston, que teve o mesmo setlist, e dessa vez pude ver o show de uma forma diferente, com as imagens do telão gigante que complementam o espetáculo. Como eu estava muito perto no primeiro show, não conseguia ver direito as imagens desse telão. O saldo final foi mais um sonho realizado.

Um assunto que é muito comentado em fóruns dedicados aos Van Halen é que eles deveriam lançar oficialmente alguns shows clássicos das primeiras turnês da banda, entre 1978 e 1984. Um bom exemplo é o famoso show de Oakland em 1981 (que rendeu os clipes ao vivo de “Unchained“, “So This Is Love?” e “Hear About It Later“). Continuamos torcendo para que eles lancem essa e outras jóias guardadas no “VH Vault”. Mas devemos dar um passo de cada vez. Agora é hora de curtir o Tokyo Dome Live In Concert.

Veja também:
Tungcast#054: A volta do Van Halen com David Lee Roth
Em defesa de Sammy Hagar, contra o Roth Army
Em defesa de David Lee Roth, contra os Redheads

Mais Eduardo Pinheiro:
Birthday Bash de Sammy Hagar em Las Vegas
Encontro com Michael Anthony

Comments are closed.