A Um Passo do Estrelato, de Morgan Neville (2013)

Poster Filme A Um Passo do EstrelatoA história da música é contada pelos que venceram. Mas como eu já escrevi sobre o Anvil: para cada Metallica, existem milhares de Anvils. Mais ainda: entre um artista de enorme sucesso e uma banda que não saiu da garagem, existem vários graus de sucesso x fracasso. Muitas vezes alguém não se torna um Michael Jackson, mas tem uma carreira digna. E, afinal, o que acontece para que um artista exploda e outro – talvez até de mais talento – não?

Essa relação entre sucesso e fracasso mais a indagação sobre o que faz artistas (não) explodirem são os motes do filme A Um Passo do Estrelato (Two Feet From Stardom, de 2013), do diretor Morgan Neville. Vencedora do Oscar 2014 de melhor documentário em longa metragem, a película faz um panorama da carreira de diversas vocalistas de apoio – ou backing vocals. Artistas extremamente talentosas, de vozes incríveis, mas que acabaram ficando no fundo do palco. Nunca conseguiram ser a estrela principal. O diretor foi feliz na realização: o filme é bem amarrado, sensível e, o melhor, tem muita música. Não foge de temas duros, mas com acerto evita polêmicas vazias.

Através de depoimentos de muitas dessas artistas como Darlene Love, Claudia Lennear, Judith Hill, Tata Vega, Lisa Fischer, Merry Clayton, entre outras, vamos entendendo os porquês de muitas delas acabarem não alcançando o estrelato. Para dar mais embasamento a tudo isso temos ainda a participação de astros: Stevie Wonder, Mick Jagger, Sting e Bruce Springsteen. A opinião de todos – das estrelas ao desconhecidos – vai nos guiando ao entendimento. Muitos fatores podem influenciar no sucesso ou não de uma cantora: ego e ambição de ser a artista principal, foco, disciplina, um bom contrato, repertório consistente, produtores de alto nível, lançamento bem feito, o timing correto e, por que não, sorte.

Conhecemos artimanhas de gravadoras que muitas vezes influenciam trajetórias. Um exemplo é Darlene Love, que assinou com Phil Spector para gravar um disco e lançar sua carreira solo. Mas – supresa! – Spector pegou essa gravação e lançou como sendo do grupo The Crystals. Esse foi um precedente muito usado pela indústria da música nos anos 50 e 60: gravar com certos músicos, mas lançar sob outro nomes – mais conhecidos, que faziam apenas dublagem. E, aqui, uma boa lembrança: o mercado da música sempre teve verve de negócio. Em raros momentos foi apenas, digamos, “arte”.

Os depoimentos nos levam por momentos de altos e baixos no uso de backing vocals. Desde o início, quando as gravações eram restritas a backing vocals brancas; passando pelo rock britânico que deu grande liberdade às vocalistas; o fenômeno Ike e Tina Turner (Beyoncé deve muito a ela!) e como o machismo de Ike influenciou na inclusão do componente sexual no visual e dança como um fator de contratação; até momentos, como o atual, em que orçamentos mais enxutos estão afastando os backing vocals profissionais de muitas gravações.

Entre os pontos mais interessantes do filme está a ligação profunda que essas pessoas tem com a música. Muito mais que uma carreira, todos tem uma intensa ligação com a atividade musical, independente do resultado. Algumas dessas artistas até desistiram de sua trajetória em determinado momento, mas acabaram retomando tempos depois. A necessidade, o instinto e a paixão falaram mais alto. Nesse sentido, temos depoimentos precisos de Stevie Wonder e Sting: o primeiro nos diz que independente do que acontece na carreira, cada artista deve fazer o que puder para desenvolver seu dom. Já o baixista fundador do The Police observa que há um caráter quase “espiritual” em se fazer música; o sucesso, se viesse, seria apenas a cobertura do bolo.

A Um Passo do Estrelato não é apenas uma ótima pedida para fãs de música, mas vale para todos que se interessam por boas histórias. O filme tem um forte componente humano, dos sentimentos e desafios de vidas e carreiras. E, no fim, não deixa de ser também uma bela homenagem ao ofício de backing vocals.

Veja o trailer de A Um Passo do Estrelato:

Comments are closed.