Pride & Glory – Pride & Glory (1994)

Pride_and_Glory_Zakk_Wylde

Recentemente, fizemos uma série de Tungcasts comentando discos lançados em 1994. Um item importante acabou ficando fora das listas, mas retomo neste texto. É Pride & Glory, projeto do guitarrista Zakk Wylde. A história por trás desse disco é a seguinte: após os shows de divulgação do disco No More Tears, Ozzy se aposentaria dos palcos – não à toa a turnê foi chamada de “No More Tours”. Embora saibamos hoje que isso não se concretizou, na época era o que fora anunciado. Sendo assim, Zakk Wylde – então guitarrista da banda do Ozzy – foi procurar o que fazer. Ele resolveu se lançar não como um guitarrista solo, mas através uma banda autoral que chamou de Pride & Glory – que, infelizmente, ficou apenas nesse auto-intitulado álbum.

Para quem nunca ouviu, é um som diferente da sua atual banda, Black Label Society. No lugar de músicas pesadas, cruas e vocais mais agressivos, temos uma sonoridade mais elaborada e diversa. E uma estética mais próxima do Classic e do Southern Rock do que do metal. E é o retrato de um músico no começo da procura por sua identidade musical. Nesta entrevista, quando fala sobre esse álbum, Wylde dá a entender que fez o disco que queria e suas referências musicais acabaram naturalmente surgindo nas músicas. A parte sônica do disco, ou seja, o modo de gravação, também é bastante natural: mesmo registrado em estúdio e com overdubs, o que nos chama a atenção é um som vivo de banda, orgânico. Em alguns momentos podemos ouvir até leves desafinações. Mas o espírito é esse: nada de pensar ou trabalhar demais, apenas fazer um bom disco de rock.

Em Pride & Glory podemos identificar ecos de várias das influências de Zakk Wylde: Van Halen nos riffs de “Toe’n The Line” e “Harvester Of Pain”; seu lado compositor de baladas em “Sweet Jesus”; Black Sabbath em “The Chosen One” e na cover “The Wizard”, do próprio Sabbath. “Machine Gun Man” remete a Jimi Hendrix e Allman Brothers. Mas temos também as marcas registradas do músico: guitarras furiosas e solos vorazes por notas em alta velocidade. O disco une virtuosismo a ótimas canções, marcantes, com muitos bons ganchos.

Ouça a faixa “Losing Your Mind”:

Um exemplo é a faixa de abertura, a espetacular “Losing Your Mind”. Temos aqui todos os elementos de um grande rock: um ótimo riff, cozinha consistente, guitarras nervosas, refrão que gruda, um final arrebatador e, claro, um solo fora de série. Tudo isso com um arranjo bem pensado. Uma curiosidade: Zakk Wylde fez jams com o Guns N’ Roses ainda com Slash, em algum momento entre 1994 e 1995. Em 1995, Slash lançaria seu álbum It’s Five O’Clock In Somewhere, também calcado no Southern Rock. Você nota alguma semelhança de “climas” e arranjo entre o riff de “Losin’ Your Mind” e o riff principal de “Beggar’s & Hangers On“? *

Zakk_Wylde_Circa_Pride_GloryEnfim, o assunto aqui é Pride & Glory. “Horse Called War”, a segunda do disco, mantém a temperatura lá no alto, com um riff mais pesado, algo como um pré Black Label Society. “Shine On” se destaca pelo groove e por um ar Led Zeppelin em alguns momentos. Minha favorita é “Harvester Of Pain”, que começa com um riff de rock clássico, tem um clima agradável, mais um grande solo, que é seguido por uma bela performance vocal de Zakk Wylde. “The Chosen One” é outro grande momento, com uma variedade de climas. É uma bela música, com direito a arranjo de cordas. “Sweet Jesus” é uma balada no estilo anos 70, com algo de Elton John.

Pride & Glory é meu lançamento favorito de Zakk Wylde, apesar de reconhecer que ele encontrou sua identidade musical e criou um séquito com sua Black Label Society. Sua banda atual flerta mais com o metal pesado, com músicas mais diretas, sem tantas sutilezas. Para quem gosta da BLS, mas não conhece esse disco, vale para entender a formação da carreira solo de Wylde. Para quem não gosta, Pride & Glory pode ser uma boa surpresa.

*Obs 01: Créditos ao meu irmão pela lembrança da semelhança. Obs 02: Antes que uma guerra seja aberta, não apenas não há nenhum indício de plágio como não há evidência de influências mútuas: as datas de gravação e lançamento dos álbuns não indicam isso. Pride & Glory foi lançado em junho de 1994. As músicas do Snakepit supostamente datam de antes disso, bem como sua gravação é creditada a agosto do mesmo ano. Além disso, apesar do momento exato em que Wylde tocou com o Guns ser incerto, provavelmente foi depois disso – entre o fim de 1994 e o início de 1995. Depois do lançamento do Pride & Glory e das gravações do Snakepit.

Outros links geeks:
- Matéria sobre Zakk Wylde, feita por Rafael Fernandes para o Estado de São Paulo, a partir de entrevista com o guitarrista.
- Tungcasts discos de 1994: vol. 01, vol. 02 e vol. 03.

Comments are closed.