Tungcast#080: Led Zeppelin (vol.2)

Segundo volume sobre os deuses do rock, traçando o caminho que os levaram à derrocada. Os problemas com drogas, os acidentes, os impostos e as brigas até o trágico fim, com a morte de John Bonham. Falamos também da vida após a morte da banda, das carreiras solo e das idas e vindas até o histórico show de 2007, que encerra a história do Led.

 

Baixe em mp3 (63MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Abertura: “Achilles Last Stand”
02:00Physical Graffiti: para muitos (incluindo Diogo e Rafael), é o melhor, mais ambicioso e completo disco do Zepp (ouça trecho de “Ten Years Gone”)
12:00 – Depois da turnê de 1975, Robert Plant sofre um sério acidente de carro e isso reflete diretamente nas gravações do disco seguinte, Presence, de 1976. Os constantes problemas da banda com os impostos no Reino Unido, com a polícia e com o vício de Page, que potencializaram a queda. Para piorar, no final da turnê, morre o filho de Plant. Aí o clima azedou de vez (ouça “For Your Life”)
25:20 – Em In Through The Outdoor, Page estava tão consumido pelas drogas, que Plant e John Paul Jones tiveram de assumir o leme, o que refletiu no clima pop do disco, com muitos teclados, melotrons e efeitos sonoros.
30:00 – John Bonham estava entrando numa espiral de autodestruição. Tinha largado a heroína, mas controlava a ansiedade com antidepressivos, misturada a litros e litros de vodca. Até que o dia chegou. Bonham estava morto e o Led Zeppelin estava acabado (trecho de “Fool In The Rain”)
36:00 – A vida após a morte do Zepp: o lançamento de Coda em 1982, por questões contratuais. Jimmy Page se enfiou no seu buraco (saindo só ocasionalmente), John Paul Jones foi cuidar da família e de seus projetos musicais e Robert Plant saiu em carreira solo (ouça “Hurting Kind”)
44:30 – Em 1993, enquanto Plant divulgava Fate of Nations, Page se associou a David Coverdale e lançou Coverdale & Page, que fez muito mais sucesso. Esse foi o estopim para o projeto Unledded, de Page & Plant em 1994 e uma longa turnê, que chegou ao Brasil em janeiro de 1996.
52:00 – O show de dezembro de 2007: o show que eles estavam devendo a todos os fãs desde o fim da banda. A turnê acabou não acontecendo e o CD/DVD Celebration Day saiu só em 2012, mas conseguiu encerrar a história da banda de forma digna.
59:30 – Encerramento: “No Quarter”, ao vivo (Celebration Day)

Leitura relacionada
Assistindo Celebration Day no cinema

Ouça também
Tungcast#079: Led Zeppelin (vol.1)

2 Responses to “Tungcast#080: Led Zeppelin (vol.2)”

  1. Cyrille disse:

    Valeu pelo especial Led Zep,

    Foi interessante ouvir o comentários de ambos. Discordo da opinião de vocês em relação ao disco de sobras “coda” porque eu o acho muito bom, até melhor do que os últimos discos oficiais. Concordo muito com o que disseram em relação ao Them Crooked Vultures. Acho esse projeto fantástico, um dos melhores discos de rock desses últimos 10 anos na minha opinião e vivo dizendo que gostaria muito de ver um segundo mas também acho que vai ser complicado sair principalmente por causa do Grohl que vive inventando projetos. Eu fico mesmo bem mais preso aos primeiros discos do Led (do I ao IV) achando os posteriores com muitas irregularidades.
    Acho que é melhor mesmo a banda não fazer uma turnê revival como comentaram no final da segunda parte. Acredito as pessoas desejariam ver mesmo são aqueles shows do anos 70 e acho que não há mais contexto, tanto musical quanto pessoal de cada um, para que reproduzam o que é esperado pelos fãs. Nos resta é catar os bootlegs que existem por aí. Led Zeppelin é realmente uma das melhores bandas da história do rock!

    Ficaria interessado em ouvir um podcast dedicado ao Pearl Jam. Acho que é uma banda que já tem muita coisa para se falar (isso se vocês realmente gostam da banda obviamente).

    Abraço geek musical para vocês!