Tungcast#072: O rock envelheceu?

Neste programa debatemos sobre a idade do rock. Ele pereceu e perdeu sua relevância ou apenas amadureceu, dentro de uma evolução natural e inerente a qualquer gênero? Clique no player abaixo e descubra.

 

Baixe em mp3 (50MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Abertura: “Good Times Bad Times” – Led Zeppelin ao vivo
02:30 – O rock sempre foi associado à jovialidade, mas aconteceu o inevitável: o gênero envelheceu e foi absorvido pelo sistema, como qualquer outro.
06:00 – O cenário do pós-guerra foi fundamental para o sentimento de revolta que aflorou nos anos 60. A partir dos anos 70, começaram a surgir fenômenos estéticos e de business, como o Sex Pistols.
10:00 – O rock começou a fazer parte do dia-a-dia das famílias, uma vez que a geração dos anos 60 foi criando seus filhos num ambiente de rock (trecho de “My Generation”, The Who)
14:30 – Por que o rock foi absorvido por outros gêneros? Se nos discos a indústria evita guitarras distorcidas, em shows de pop vemos rock tomar conta, por sua energia incomparável. Exemplo: Nuno Bettencourt tocando para a Rihanna (trecho de “Hip Today”, Extreme)
22:30 – Até os anos 1990 acreditava-se que 50 anos era a idade inevitável para a aposentadoria para roqueiros, mas hoje vemos roqueiros beirando os 70 anos ainda lotando arenas. Os casos de Paul McCartney, Mick Jagger, David Coverdale, Sting e Robert Plant (trecho “When I’m Sixty Four”, Beatles)
33:00 – Ouvir bandas dos anos 70 e 80 é coisa de velho ou quem diz isso é um hipster querendo posar de vanguarda?
36:20 – Por que o rock não move mais as massas, como o movimento hippie nos anos 60 e o rock de protesto nos anos 80 aqui no Brasil? O rock se despolitizou ou foram apenas contextos históricos em que ele serviu de plataforma?
40:00 – Os protestos no Brasil: antes os artistas pautavam as ruas, hoje as ruas pautam os artistas. O debate político está nas redes sociais, e não na mídia. O caso dos artistas da Globo pintando o olho de roxo e as músicas de Seu Jorge, Tom Zé, Latino, Capital Inicial e Detonautas, que fizeram músicas sobre os protestos (trecho de “I’m Designer”, Queens of The Stone Age)
45:30 – O rock se tornou apenas mais uma opção de entretenimento? Ou sempre foi? Mesmo tendo alguns momentos mais intelectualizados e políticos, o rock continuará sendo entretenimento para o grande público e objeto de culto para os geeks.
49:30 – Encerramento: “Guerrilla Radio”, Rage Against The Machine

6 Responses to “Tungcast#072: O rock envelheceu?”

  1. Iago de Barros disse:

    Nao vejo nenhum problema em o rock ter sido absorvido pelo sistema mas: acho que o problema está na qualidade que esse rock “do sistema” vai nos dar…..
    Agora mudando um pouco de assunto…..vcs ja ouviram a nova música do dream theater? O que vcs acharam??

    agradeço a resposta.

    • Diogo Salles disse:

      Iago, minha impressão é que, dentro ou fora do sistema, o rock parece estar dando voltas em torno de si mesmo nesses últimos tempos. Qualquer banda que começa a ser hypada, vou lá ouvir e ela soa como uma variação de Franz Ferdinand ou Arctic Monkeys.

      Sobre o Dream Theater, aguarde a resenha do Rafael Fernandes quando o álbum sair! ;)

      abs
      Diogo

  2. As eras do rock estão cravadas na história da música e ninguém pode mudá-las,por exemplo os anos 60, 70, 80 e 90 podem ser separados somente pela audição, o que está acontecendo hoje é uma falta de identificação do rock com o nosso tempo, talvez isso aconteça porque estamos no meio desse processo e a sonoridade em geral ainda não encorpou, agora no âmbito pessoal, eu não gosto do que está aparecendo no rock mainstream, por isso meu saudosismo se dá mais pela pesquisa, do que pela memória afetiva.

  3. Lucas disse:

    Rock mudou tanto que se olha no espelho e não se reconhece mais

  4. Francisco disse:

    Pessoal vcs desapareceram do itunes?

    não encontro mais o podcast de vocês lá.

  5. Dario disse:

    Na minha opinião não só o rock, mas a música de forma geral se tornou apenas mais uma opção de entretenimento. A música virou pano de fundo para outras manifestações.