Tungcast#071: A produção autoral na Web 2.0

cellardoor

 

Baixe em mp3 (42MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Abertura: “Soon”, do Cellardoor, projeto musical de nosso convidado André Graciotti
03:30 – Uma ressalva à teoria do Long Tail: Chris Anderson nunca disse que a cauda longa acabaria com o mainstream, apenas se ajustaria aos nichos de mercado.
05:30 – “O problema não é o excesso de produção. É do filtro, da indexação.” – Rafael Fernandes
07:50 – O crowdfunding só funciona para quem já tem um público? Por que o Brasil não tem essa cultura de pagar antecipadamente por projetos autorais?
12:30 – A ânsia de ser autor: de onde vem? Por que ser autor sem nenhuma perspectiva de retorno? É uma afirmação artística ou é só para satisfazer um desejo egocêntrico? (ouça trecho de “Always The Same”, do Sons Ao Vento)
19:30 – O processo de escolha das músicas quando se está gravando um álbum. “Ástarsaga”, do Cellardoor, tem referências em Sigur Rós e Aereogramme (ouça trecho)
24:00 – “A melancolia não tem nada a ver com tristeza, tem a ver com profundidade. É uma forma de romantismo.” – André Graciotti
28:00 – Uma banda de rock precisa ter baixista? (ouça trecho de “Red Herring” – Cellardoor)
31:30 – A cauda longa influenciou ou mudou de alguma forma o mainstream? (ouça “Countdown” – Beyoncé)
35:00 – A produção autoral e artística fora da música e o crescimento do Soundcloud como canal de relacionamento com o público de música.
39:00 – Como balancear a ambição autoral com a recepção do público? A construção de um portfolio e a formação de um público.
42:00 – Encerramento: “The Missing Thrill” – Cellardoor

Ouça também:
Tungcast#001: O valor da música hoje
Tungcast#004: O formato álbum acabou?
Tungcast#032: O mercado da música nos anos 2000
Tungcast#034: Empreendedorismo na música (vol. 1)
Tungcast#035: O futuro da produção musical
Tungcast#042: A cobertura musical em tempos de internet
Tungcast#045: Existe a ética do download?

2 Responses to “Tungcast#071: A produção autoral na Web 2.0”

  1. A ambição autoral está imprimida à fundo na natureza humana, antes do reconhecimento dos outros, é um auto reconhecimento, ou uma auto afirmação da nossa identidade e autenticidade. Desde um executivo que se orgulha da autoria de um sistema de trabalho bem sucedido, ao humilde lavrador que é autor de frases de efeito, não é de se espantar que exista pessoas querendo publicar seus textos, músicas, desenhos, sem esperar retorno financeiro.

    • Diogo Salles disse:

      Gustavo, acho que a ambição autoral sempre existiu. A grande diferença é que hoje há variados meios de dar vazão a ela.

      Mesmo com muita coisa ruim, não deixa de ser um avanço. ;)

      abs
      Diogo