Destrinchando Hits: Charice em “Note To God”

Se você já conhece este site, sabe que somos loucos por música. E como bem disse o leitor Gustavo Sampaio: “O melhor do Geek Musical é que não há como trair o movimento”. Afinal, podemos escrever sobre tudo. Caso você não saiba direito do que se trata: somos musicólatras procurando desvendar cada detalhe do mundo musical. Sim, é uma tarefa esnobe e impossível, mas é também quase um propósito de vida. O dia a dia de um geek musical pode ser sobre achar uma ótima cantora pop, como Lianne La Havas ou tirar um dia para visitar um sebo em Miami (quando todos os “normais” estão na praia, descansando ou em busca de muambas pra família toda). Por isso, a partir de hoje, lanço uma série de posts chamada Destrinchando Hits. Sem periodicidade definida, a ideia é pegar músicas ou discos que estouraram – ou quase isso – em vendas e execuções e procurar descobrir quais fatores ajudaram a levá-los ao topo. Também serão incluídos discos e músicas que tentaram usar clichês e seguir uma moda com o objetivo de fazer sucesso – como é o caso da escolha deste post. Detalhe: as análises independem da qualidade da música em si.

Hoje, destaco a canção “Note To God”, da cantora Charice – que poderia estar em algum lugar entre One Hit Wonders e As Piores Músicas de Todos Os Tempos. Você provavelmente nem conhece essa música, mas eu juro que ela fez algum sucesso nos EUA em 2009. Vou ser sincero: essa, especificamente, estaria numa seção “Destrinchando QUASE Hits”. Mas é ideal para mostrar como existem artifícios que artistas usam para tentar pegar atalhos com o objetivo de levar uma música ao número um das paradas. Veja o vídeo e, em seguida, leia sobre as armas utilizadas para disparar um míssil pop.

As artimanhas:

  • Uma cantora de voz potente e técnica irrepreensível;

  • Uma moça que, se não é linda, está longe de ser uma aberração e se sai bem no palco;

  • Se possível, adicione um toque exótico – nesse caso, Charice é filipina;

  • A artista fazendo caras e bocas para mostrar que está “sentindo fundo” a canção;

  • Uma introdução que lembra um milhão de músicas, para despertar facilmente atenção;

  • Uma balada padrão, feita com acordes e intenções melódicas reconhecíveis e, claro, já testados em inúmeras canções;

  • Uma música feita por Diane Warren, uma das mais conhecidas e bem sucedidas compositoras do meio musical. Ela já emplacou inúmeros sucessos, como “I Don’t Wanna Miss a Thing”, do Aerosmith (do filme-bomba Armageddon) e “Because You Loved Me” (da detestável Celine Dion). Se não é sucesso certo, é visto como um atalho para o topo das paradas;

  • A música é produzida por David Foster, um dos papas do pop, que colaborou com uma lista invejável de artistas mainstream;

  • Uma letra emotiva, cheia de clichês, que evoca Deus e tem frases de auto-ajuda. Um trecho do refrão: “Permita que tenhamos fé para continuar / Nos dê esperença quando a esperança parece ter ido embora / Porque parece que há tanto de errado / Nessa estrada em que estamos”

  • Uma batida eletrônica, quase hip hop, para dar uma cara “moderna”;

  • Um arranjo crescente, que agrega vocais “gospel” e que tem o auge da música num dos grandes clichês de canção: o aumento de tom que dá uma dose extra de dramaticidade (nesse caso foi meio tom e ocorre por volta do minuto 3:00 no vídeo acima);

  • Não esqueça uma pausa para um breve solo antes do fim da música para reforçar o alcance vocal da cantora;

  • Uma apresentação no programa da Oprah – sempre muito assistido e comentado, um grande gerador de buzz. É importante mostrar a “emoção” da apresentadora e o “êxtase” da platéia. Tudo muito bem armado.

Depois disso, é difícil não fazer ao menos algum sucesso!

E você, geek musical, que outras artimanhas da indústria e clichês identifica nessa atuação da Charice?

One Response to “Destrinchando Hits: Charice em “Note To God””

  1. Existem Músicas geniais que se não lançaram o alicerce desses scripts musicais usaram muito bem, posso citar Someone saved my life tonight do Elton John, Love’s in need of love today do Steve Wonder entre outras, mas se tem uma coisa que já está muito batida é quando da primeira estrofe até o refrão só se tem voz e piano/violão, e logo depois entra a banda com direito a coral e o escambau, Aliás, já está tão batido que virou manteiga.