Tungcast#067: Artistas e bandas superestimadas

blackeyedpeas_grammy

 

Baixe em mp3 (42MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Apresentação: como os artistas ficam superestimados? Tudo começa pela mídia e reflete nos fãs.
02:00 – Legião Urbana: o momento político que o Brasil atravessava nos anos 80 e a aura messiânica de Renato Russo o tornou o porta-voz de uma geração (ouça trecho de “O Teatro dos Vampiros”)
06:50The Doors nos anos 60 e Nirvana nos anos 90: boas bandas que ficaram na sombra de seus vocalistas endeusados, principalmente depois que morreram (ouça trecho de “Peace Frog”)
14:30 – Radiohead e a histeria geral: da mídia, dos fãs e do próprio Thom Yorke (trecho de “Bodysnatchers”)
19:00 – Os indies e seus formadores de opinião adoram hypar suas bandas prediletas como “insuportavelmente perfeitos” e adoram patrulhar vozes dissonantes.
21:30 – Os consensos do hype: Jack White é “guitar hero”, Lou Reed é tão importante quanto Lennon, Julian Casablancas é “poeta” e Marcelo Camelo virou Chico Buarque (ouça “Cara Estranho”, do Los Hermanos)
28:20 – Coldplay é uma banda mediana, não trouxe nenhuma inovação e não justifica esse alvoroço todo.
30:20 – Black Eyed Peas representa tudo o que há de mais tosco, superestimado e pretensamente sério na música (ouça “Boom Boom Pow”)
33:20 – Artistas que se auto-superestimam: Caetano Veloso não sabe se é músico, celebridade, agitador cultural ou colunista de jornal e Roberto Carlos é o artista superestimado por inércia (ouça “Como Vai Você”)
36:20 – Chico Buarque tem uma atitude digna ao ignorar o endeusamento da mídia que, por sua vez, não tem independência e senso crítico para analisá-lo.
38:30 – O salvacionismo do rock e as falsas previsões dos novos salvadores: por que precisamos sempre de uma nova banda para “salvar” o rock?
42:00 – O fã não precisa ser um crítico, mas tem de saber discernir coisas boas e ruins de suas bandas preferidas.
42:50 – Encerramento: “Rape Me” – Nirvana

18 Responses to “Tungcast#067: Artistas e bandas superestimadas”

  1. Rafael Martins disse:

    Parabéns pelo podcast. Apesar de ter achado algumas críticas excessivamente elitistas. Não acho que algumas bandas, principalmente do Indie, carece de qualidade musical, de arranjos, etc. Nem só de progressões inovadoras, ou músicos brilhantes vive o cenário musical do Rock e do Pop, pelo contrário, muito se deve a pluralidade de noções rítmicas e melódicas. Acho o xiitismo e o messianismo insuportavelmente irritantes sim, mas nem por isso, há porquê, taxar como lixo, ou simplismo, características musicais divergentes. Mais uma vez, parabéns.

    • Rafael Fernandes disse:

      Olá, Rafael, obrigado pelo comentário.

      Nossa discussão aqui não era sobre qualidade musical, mas sim artistas sendo incensados pela mídia e pelos xiitas, independente de serem bons ou não. Acontece que, muitas vezes, não há nenhuma razão para esse barulho todo.

      Forte abraço, volte sempre!

  2. iago barros disse:

    Ok voltamos para o assunto chato…….
    Eu como ser musical,costumo ignorar o que eu chamo de “som democratizado” (tipo o legiao urbana ai) apesar de sempre ser obrigado a executà-lo algumas vezes.
    realmente os indies carecem hoje em dia de um som mais elaborado;porque eles proprios se tornaram produtos da propria industria na qual,eles mesmo criaram.em sintese é essa a minha opiniao.

    • Diogo Salles disse:

      Há uma diferença, Iago. Mesmo o Legião sendo superestimado, naquela época de redemocratização eram comuns os discursos inflamados.

      Hoje os indies não confrontam nada, apesar de termos tanta barbaridade no mundo quanto naquela época. O que sobra é esse discurso veggie-hipster-sustentável-politicamente-correto.

      abs
      Diogo

  3. Sempre me diverti escutando e lendo suas críticas, eu não sirvo para ser crítico musical, como já citei outra vez já fui muito xiita ou fanboy, e hoje meu gosto musical é muito amplo, ainda assim, eu gosto de falar bem do artista que faz meu gosto e também falar mau do que eu não suporto, já comprei muita briga por criticar o Bruce Springsteen, Lynrd Skynrd e já torci o naris quando ouvi críticas ao R.E.M., mas quanto aos argumentos? Simplesmente gosto pessoal, e gosto se discute sim, por exemplo: eu gosto de certos detalhes sobre tal banda que sempre me chamaram atenção e são esses detalhes que norteiam meus critérios, esse é um ponto.
    Agora quanto à mídia endeusar ou puxar sardinha para esse ou aquele artista isso sempre vai exisistir, e até os artistas endeusados são vítimas dessa prática, que acabam sendo cobrados à fazer jus às condecorações que carregam, quando as vezes só queriam ter na vida simplesmente uma casinha branca de varanda, um quintal e uma janela para ver o sol nascer. #coitadinhos

  4. Jose Vivarelli disse:

    Olá,
    Simplesmente melhor Cast de todos, concordo com 80% do que vocês falaram os outros 20%, eu ainda não tinha opnião formada kkkk.

    Alcaeda do hype foi sensacional.

    Ninguém é intocável²,

    Eu sou Rushmaniaco mas reconheço muitos pontos falhos em discos que eu gosto muito da banda

    Abraço

  5. Mateus de Bem disse:

    Concordo com vocês em diversas partes! E também concordo que BEP é uma merda!!!! Faz um bom tempo que o pop (LIXO POP) deixou de ser música e virou produto. Além disso eles superestimam artistas que possuem elementos maçantes a tempo como é o caso de, Ne-Yo, Chris Brown, Rihanna.

    O rock não morreu mas está doente como diria Jack Black.

    Boa sorte e abraços!

  6. Thiago Chaves disse:

    Fala pessoal, com um pouco de atraso, ouvi o podcast. Excelente!

    Aproveito para deixar aqui um link, lá do nosso site, onde falamos que o Kurt Cobain não foi nenhum herói. E fomo aprdejados por muito por dizer isso. =P

    http://mobground.net/kurt-cobain-nao-foi-nenhum-heroi/

  7. Diogo Salles disse:

    Mateus, os fãs de pop costumam ser os mais abobados na exaltação aos seus ídolos. Quanto à “música” que eles fazem, quanto mais maçante, melhor (pra eles), porque vende mais.

    Thiago, os comentários em seu post não me causaram surpresa. Típica guerra de torcida, zero de argumentos.

    abs a todos
    Diogo

  8. lucas disse:

    Muito bom cast, acho que só falta bom senso da parte dos fãs mesmo. Eu gosto de strokes, e também não odeio coldplay, são bandas de qualidade bem discutivel eu sei. Vocês precisão de um feed. Excelente trabalho.

  9. Caio disse:

    Essas bandinhas indies são a coisas mais superestimada da terra. The Strokes foi tão importante quanto emo.

    Uma banda que sempre achei superestimada (até por mim como melhor banda já existente na terra) é o Pink Floyd, depois que conheci outras do gênero Rock Prog, eu vi que não havia somente ela de genial.

    Agora, sabem qual é a banda mais supreestimada da historia: Rolling Stones.

    • Diogo Salles disse:

      Caio, boas observações.

      Pink Floyd é mesmo uma banda sensacional, mas o prog como gênero é bem vasto, então fica difícil apontar a melhor.

      Sobre os Stones, eles tiveram o mérito de fundir o rock com blues e de estarem no lugar certo, na hora certa – assim como os Beatles. Não sou um grande fã, mas também não diria que é superestimado.

      abs
      Diogo

  10. Lucas disse:

    Gostei do cast, a cena Indie é realmente muito superestimada.
    Mas acho que faltaram algumas bandas muito superestimadas. Poderia ter citado Kiss, Ramones, Guns N’ Roses e Aerosmith.
    Li o comentário do Caio sobre o Pink Floyd, e concordo em partes. Não é o quarteto de Cambridge que é superestimado, mas os outros grupos de Rock Progressivo que são subestimados. Grupos como Emerson, Lake & Palmer, King Crimsom, Premiata Forneria Marconi, Genesis, Gentle Giant e Camel são tão bons como o Pink Floyd, mas nunca alcançaram o mesmo reconhecimento desta por parte da crítica e do grande público.

  11. Deca disse:

    Eu sempre fui fã do R.E.M., mas sempre achei que a banda era superestimada pela crítica e pelos fãs. Acho que isso foi altamente perigoso para a banda. O primeiro a cair fora foi o Bill Berry, depois com o tempo o Peter Buck e o Mike Mills se cansaram da superexposição do Michael Stipe e isso foi a gota d’água para o término da banda. Pelo menos eles terminaram com dignidade.

  12. Victor Quaresma disse:

    Conheci o site há muito pouco tempo e confesso que gostei bastante da opinião de vocês, e fiquei até feliz de saber que não sou o único que acha as bandas citadas superestimadas. Mas enfim, só passei pra elogiar mesmo.