Porque a formação clássica do Guns N’ Roses dificilmente volta

Axl e Izzy tocando juntos em 2012

Axl e Izzy tocando juntos em 2012

Na cabeça de quem não viveu os anos 80 – ou daqueles que insistem em tentar reviver – é um absurdo que Axl Rose mantenha o Guns N’ Roses sem a “formação clássica”. O Rock N Roll Hall of Fame de 2012 trouxe o assunto de volta à tona. Mas, na verdade, a grande cisma é pela ausência de Slash – até porque em seu auge midiático, entre 91 e 92, o grupo já estava sem Izzy Stradlin e Steven Adler. Axl e Slash eram – e são – símbolos de criatividade e carisma. No mundo dos sonhos e desejos, seria simples que um retorno acontecesse: um pede desculpas daqui, o outro dali e, pronto! O ideal está armado. É só chamar os outros três e a reunião está pronta! Mas um pouco de conhecimento sobre a história da banda e o momento atual mostra que isso é apenas um sonho. O Guns N’ Roses sempre esteve perto de implodir.

À exceção de Izzy e Axl de um lado e Slash e Steven de outro, o grupo se formou não por amigos com vida em comum, mas por músicos à procura de uma banda que pudesse assinar um bom contrato de gravação e conquistar o estrelato. A tal formação clássica do Guns N’ Roses surgiu de um “catadão”. Axl e Izzy estavam na versão inicial do Guns N’ Roses com Tracii Guns (guitarra solo), Oli Beich (baixo) e Rob Gardner (bateria). Logo em seguida entrou Duff, para só então chegarem Slash e Steven. Alguns deles já haviam tocado juntos em algum momento em outras bandas: Axl, Slash e Steven, por exemplo, chegaram a estar juntos num grupo chamado New Hollywood Rose, que durou pouco. Esse processo mostra como todos estavam entrando e saindo de bandas, experimentando, para tentar achar uma que desse certo – independente de nomes ou amizade. Um intenso vai e vem de bandas aconteceu num período curto, nos seis primeiros meses de 1985, até a formação do Guns N’ Roses como o conhecemos. Sim, eles amavam música, mas estavam longe de serem grandes amigos fora do contexto musical e de farra. O que mais queriam era explodir na cena do rock daquela época. Quando esse objetivo foi alcançado – cerca de dois anos depois do lançamento de Appetite For Destruction, as coisas já começaram a desandar. Aos poucos, o Guns N’ Roses que se formou lá no meio dos anos 80 foi se desmontando. Antes mesmo do lançamento do primeiro disco brigas já haviam acontecido e a demissão de Axl Rose chegou a ser conversada. Depois que o Appetite foi lançado, cada um começou a ir para um lado – a tal “camaradagem” típica de bandas iniciantes ia se esgotando aos poucos, de forma muito precoce.

Duff, Slash e Steven no Rock And Roll Hall Of Fame de 2012

Duff, Slash e Steven no Rock And Roll Hall Of Fame de 2012

Os cenários passado e atual mostram a dificuldade de retorno, ou mesmo a impossibilidade de se manterem juntos: Steven Adler virou um junkie  incapaz de gravar uma faixa sem a necessidade de fazer dezenas de interrupções, nas sessões do Use Your Illusion (“Civil War”), a gota d’água para sua demissão. Continuou assim por anos, apesar de parecer limpo atualmente. Izzy Stradlin foi o cara que, já no fim dos anos 80, não aguentou nem a megalomania de Axl Rose, nem os abusos e estilo farrista de Slash e Duff. Ficou sóbrio antes das gravações dos Use Your Illusion e foi se isolando cada vez mais. É um compositor que se basta e queria um ritmo de trabalho mais tranquilo, com o lançamento frequente de discos e turnês curtas em pequenos clubes. Alcançou o que queria com a carreira solo, num ritmo que mantém até hoje. Chegou a tocar com uma versão inicial do Velvet Revolver, chamada “The Project” – abortada porque Izzy queria que fossem um quarteto (ele, Slash, Duff e Matt Sorum), enquanto Slash bateu o pé querendo um vocalista. Também participou de alguns shows do Guns N’ Roses entre 2006 e 2012. Mas isso basta para ele. É um cara mais recluso e que pode chegar a qualquer momento para fazer um som, curtir um pouco e sumir no próximo segundo. Curiosamente, sua participação no Guns N’ Roses foi subestimada por público e crítica quando esteve na banda. Mas hoje, ao contrário, é superestimada – apesar de muito importante. Duff também teve sua relevância, mas era aquele cara boa gente que parece não ter se importado muito em sair da banda – e nem sente tanta falta. Axl é aquilo que conhecemos: talentoso, com um forte conceito artístico, mas recluso, disperso e imprevisível. Um anti-herói.

Por fim, Slash. Por mais que fãs mais extremos não tolerem sua saída da banda, a verdade é que, independente das rixas entre ele e Axl, seu nome estava ficando grande demais para o Guns N’ Roses. Como está provado hoje, a marca Slash é muito forte. Pode não ser tão forte quanto a marca Guns N Roses, mas Slash se basta. E ainda pode se dar ao luxo de levar sua carreira da forma como quer, sem segunda opinião – nesse quesito, não se diferencia tanto de Axl Rose. O próprio Slash, numa matéria que fiz com ele para o Estadão, já parece estafado com o assunto: “As pessoas são obcecadas” com a (remotíssima) possibilidade de um retorno da formação do Appetite For Descruction. Afinal, o guitarrista está num ótimo momento: encontrou em Myles Kennedy um novo – e aparentemente confiável – parceiro e lançou seu melhor disco desde sua saída do Guns N Roses. O Guns N’ Roses ficou pequeno demais para acomodar os nomes – e egos – de Axl e Slash. E foi uma banda que desde o início parecia na iminência de romper. Portanto, melhor do que chorar o que aconteceu há vinte anos – é muito tempo de lamentação – é ficar com o atual e o real. Cada um no seu canto. Patético mesmo seria juntar cinco caras que não tocam juntos há duas décadas, praticamente sem afinidades (pessoais ou musicais) só para celebrar o que deixaram de ser.

Outros links geeks:
- Tungcast #014: Guns N’ Roses (parte 1)
- Tungcast#015: Guns N’ Roses (parte 2) – Chinese Democracy

13 Responses to “Porque a formação clássica do Guns N’ Roses dificilmente volta”

  1. Michel Vitorino disse:

    Pois é, também acho idiotice eles tentarem voltar, e mesmo se voltarem, não irão ser o mesmo guns’n'roses de antes.

    • Rafael Fernandes disse:

      Michel, você escreveu uma coisa vital: “não irão ser o mesmo guns’n'roses de antes”. É isso. O momento dessa formação foi lá nos anos 80, com todos jovens e com muita ambição.

      Obrigado pelo comentário,

      Rafael

    • daniel disse:

      mais o gus n roses atual esta uma merda, merda mesmo se a banda original voltase seria bom logico q nao seria o mesmo de 20 anos atras mais seria muito bom se eles voltase a tocar junto denovo eles era os caras e ainda sao os caras 20 anos e muito tenpo sem tocar junto mais eles sao lenda e merece ,uitop respeito!!!!!!

  2. Diogo Salles disse:

    Acho que depende de qual sentido é usado para o termo “reunião”. Está mais do que claro de que uma turnê não seria possível (e eles nem precisariam disso), mas algo como o show que o Led Zepp fez em 2007 seria realmente interessate – desde que feito de comum acordo.

    Mas fiquem tranquilos, porque essa tão sonhada reunião NÃO VAI ACONTECER. Nem mesmo esse show único, pois é fato que eles não sobreviveriam nem ao primeiro ensaio…

    abs
    Diogo

  3. Bruno do Amaral disse:

    Saiu recentemente na Interwebs um show filmado profissionalmente, em HD, realizado em 2012, em Londres. O que eu consegui perceber é que, enquanto os fãs normais clamam por uma reunião com o Slash (o resto é completamente descartável, na opinião geral), minha maior saudade é a formação bizonha de 2002. Aquilo trazia surpresa, era interessante e diferente. Não havia clichês ou ao menos obviedades demais. Isso era possível notar nas guitarras principalmente, que tinham detalhes até mesmo nas bases. Agora, tudo se baseia em deixar o som pesado com powerchords.

    Além disso, o elemento comum não está ajudandl. Hoje, o Axl não só está cantando underpowered, mas totalmente apático. Ele parece movido a Rivotril, cantando músicas antigas sem paixão e as novas sem isso e nem a técnica apurada que desenvolveu na época do Chinese. Alie isso a um instrumental pouco inspirado (com algumas excessões no caso do Richard Fortus e do Bumblefoot, mas apenas esporadicamente) e você vai ter um show correto, agradável, mas sem sal.

    Tudo isso se reflete também no comportamento do próprio Axl. Em uma entrevista deste mês de março ma Austrália,perguntaram a ele se veriamos música nova em 2013. A resposta dele: “definitivamente talvez”. Eu interpreto como: largou mão. Tanto faz.

  4. Herson Fursel disse:

    Acho que vai além de apenas querer ver a formação reunida; tem haver com o que os cinco fizeram: as musicas de maior sucesso, a própria imagem do GNR. Outro dia li nos cometários de um post o pessoal falando que o Buckethead e o Dj Ashba seriam guitarristas tão bons quanto o Slash, não entro no âmbito desta discussão, mas o fato é que o guitarrista que marcou o Guns por solos memoráveis foi o Slash, quem compôs foi ele, o mesmo vale para as bases, tira o violão do Izzy em Patience por exemplo e falta a metade do som, o baixo inconfundível do Duff, que tinha arranjos que conversavam com as guitarras. Talvez na bateria haja uma divisão entre Steven e Matt.
    O que acontece também, é que muitos são fãs do Axl, e veem a banda apenas como um apoio necessário, mas se alguém falar em substitui-lo por causa da sua situação apática, seria visto como inaceitável. Enfim, quero dizer que o Guns só é o que é hoje, por causa dos cinco, podiam não ser tão amigos, mas eram caras que tocavam bem juntos.

  5. Como um grande fã e tambem musico gosto muito do som do velho guns mais não sonho com uma possivel volta mas sim com uma provavel reuniao em um unico show,o que me deixaria muito feliz

  6. mariana disse:

    n to de acordo pra mim se eles voltarem é o mesmo e senpre serão os Guns n roses….

  7. Fábio disse:

    Acredito que não teriam o mesmo pique de fato. Afinidades? Só queremos ouvir as músicas que ouvíamos,tocadas pelos verdadeiros artistas que as compuseram.Será que eles esqueceram de tocar? Não precisamos de músicas novas. A única novidade que precisamos é da Colta do verdadeiro Guns. Muitos anos se passaram e muitos problemas devem ter sidos solucionados individualmente. Por tanto, deixem o que passou pra trás e voltem para fazerem a galera feliz. Seria de fato um grande sonho. CPM certeza seria record de público novamente.

  8. J.victor disse:

    Mesmo a atual formação sendo um fracasso comparada a original acho quase impossivel que ela retorne(por mais que duff tenha voltado ao gnr) axl não teria a coragem de adimitir seu fracasso com a volta de slash(que vai muito bem sem o guns) e adler {que juntos de duff foram os grandes responsaveis pelo susseso do guns} e mesmo que se juntassem nao durariam um unico dia

  9. Junior disse:

    O Guns N’ Roses não ta uma merda, quem ta uma merda é Axl, Slash, Duff etc… Estão na melhor forma que antes estão super afinados. Ja o axl é um bosta além de ambicioso egoísta ele sim é o único culpado dessa banda espetacular ter rompido…

  10. Leandro almeida disse:

    Bem eu curto demais o guns e realmente a formação atual do guns deixa muito a deseja se comparada com a atual .
    As pessoas me pergunta por que axl nao canta mais como antes e por que quando ele canta como antes a melodia nao tem a mesma emocao ou força de antes
    Ai eu respondo bem na minha opiniao é que o guns de antes era com um ser humano com cabeça, pernas, bracos,tronco e um coracao so que no caso do funs com um coracao formado por duas pessoas axl e slash ou seja hoje guns sobrevive com meio coraçao e sem pernas e sem bracos e sem tronco que seriam duff, izzy,matt pois como uma pessoa pode transmitir a emoçao de serpai sem ter tido um filho ou seja os musicos aruais do guns elea tocam legal mais nao tem aa emocao de ter sido sido um dos pais da formacaao doa capps armonicos das melodias dos riff das guitarras de todo o processo de criacao de uma musica da juncao do som de todos strumentos e voz que da orgulho e vontade de toca pois os musicos atuais do guns ja pegaram as musicas prontas com emoçoes criadas e sentidas e transmitidas por outras pessoas entao como eu vou transmitir a revoltar ou amor que o slash, axl, duff,izzy, matt sentiam se eu nao sou nenhum deles
    Entao pra mim a volta da formaçao original do guns ia trazer a emocao e o prazer e gosto e orgulho de ouvir pra mim uma das melhores bandas que ja existiu se o guns voltar pode ter certeza que vai ser bom sim
    Guns n’ roses e uma banda que merece respeito e admiracao pois suas musicas dao de mil a zero em muitas musicas de hoje