Madonna mostra que no pop o que vale é o marketing do escândalo

Antes de falarmos sobre toda a aporrinhação que nos traz mais esta passagem de Madonna pelo Brasil, vamos retornar aos anos 1980, onde tudo começou. Disputando ombro a ombro o espaço no mainstream da época, tínhamos: 1) Michael Jackson, um artista excepcional; 2) George Michael, um cantor excepcional; 3) Prince, um músico excepcional… e 4) Madonna, uma marqueteira excepcional.

Agora voltemos aos dias atuais para logo perceber que todos os contemporâneos de Madonna ficaram pelo caminho ou viraram pó – só restando ela para contar história. Antes de morrer de fato, Michael Jackson já tinha morrido como artista. Já George Michael primeiro trocou a música pelo contorcionismo, depois investiu em escândalos sem calcular o retorno de imagem. Quando tentou voltar, era tarde. E Prince virou esse símbolo ininteligível que o jogou no limbo artístico. Eis a conclusão trágica: ter talento é bom, mas não é o mais importante para sobreviver no universo musical – principalmente no mundo pop. E vejam a ironia: perto do talento musical de qualquer um desses três, Madonna não passaria de uma atração de show de calouros. Aposto que a saudosa Aracy de Almeida não daria nem 10 paus pra essa matusquela.

Por outro lado, Madonna é a única dos quatro com visão de mercado, com tino para os negócios e com faro para transformar polêmicas em tendências. É tanto velhaca para construir uma imagem controversa e contraditória quanto esperta para atrair a atenção da mídia. Primeiro era a “virgem material girl”, depois era a “freira erótica”, depois a “tiazona papa-anjo”, e assim ininterrupta, aborrecida e sucessivamente.

Agora façamos um exercício critico. Tire do show da Madonna todos os lasers, a pirotecnia, a produção, o figurino, a afetação, os carros alegóricos, os dançarinos e coloque-a apenas com uma banda e uma iluminação de palco simples. O que sobra? Você pode argumentar que, se fizermos a mesma coisa com o U2 ou com o Pink Floyd, teremos um resultado tão insípido quanto. Concordarei, mas ainda assim, teremos uma banda competente tocando boas músicas no palco. E para os verdadeiros amantes da música, isso basta. Para Madonna – assim como para a maioria dos artistas pop –, a catarse, o escândalo e a megalomania devem vir antes de qualquer outra coisa (principalmente se essa coisa for a música). Eis aí uma lição que Lady Gaga e outras discípulas parecem ter aprendido muito bem.

De qualquer jeito, é fato que quem escolheu ir ao show estará lá para ver muito mais o circo do que a música. Só que dessa vez, ela teve de rebolar um pouco mais, pois não havia o “fator Jesus Luz” para vendê-la na mídia sensacionalista. Assim, o jeito foi reduzir o preço dos ingressos, para evitar o vexame do encalhe. Parece que Madonna não engana mais nem a seus fãs. Óbvio que ela ainda tem condições de virar esse jogo, mas recorrer ao clichê demagógico de adotar uma criança brasileira não adiantaria muita coisa. Não seria apelativo o bastante. É claro que uma velha de guerra como Madonna dispõe de trunfos melhores em seu manual de marketing do escândalo. Se é para descer o nível até os estertores, ela poderia “deixar vazar” na web um vídeo onde tira ela virgindade de um menor de idade cheio de espinhas na cara. Outra boa opção seria promover uma seção sadomasô com direito a “fist fuck” num showmício do padre Marcelo Rossi. Grotesco, sem dúvida, mas admito que seria ao menos divertido ver a reação colérica e horrorizada de líderes religiosos e seus rebanhos.

Mas o que realmente importa é que, no final de tudo, gostem ou não, Madonna não é um acontecimento musical. Nunca será. E tampouco provoca uma discussão essencialmente musical. Tanto que a mídia que cobre sua passagem por aqui é a de celebridades, não a musical. Madonna é apenas parte de uma azeitada máquina de entretenimento e de dinheiro. E aqui, para a nossa brava gente, ela funciona só como mais uma micareta gringa, que alimenta esse nosso incontrolável apetite pelo oba-oba mais baixo e popularesco.

16 Responses to “Madonna mostra que no pop o que vale é o marketing do escândalo”

  1. William disse:

    Concordo com o texto… E pior que existem fãs xiitas de Madonna, assim como existem de qualquer “artista” que a defenderão como um marco na música, revolucionária e etc, sem contar o argumento clássico “milhões de cds vendidos,milhões de ouvintes” como se essa quantidade a significasse qualidade.

    Aliás, seria ótimo reduzir ao palco simples com apenas o “artista” se apresentando. (Embora isso seja a parte principal desses shows megalomaniacos de hoje em dia)…

    E ainda mais, pagar pra ver playback não da pra levar a sério. (não sei se ainda faz isso, provavel que sim, mas ja fez muito)

  2. alguns podem dizer que hoje em dia não existem bons artistas, mas na verdade não há espaço( TV, radio e outros meios) para que possoam aparecer, enquanto isso a industria do entretenimento insiste em inventar mitos e “artistas” como Madonna, pouco expressão musical e muita visibilidade, como finalizado nesse post “Madonna é apenas parte de uma azeitada máquina de entretenimento e de dinheiro” nada mais do que isso

    • Diogo Salles disse:

      Anderson, acho que esse é o grande problema do pop. Não se olha como deveria para a música que os artistas fazem, mas sim para o que eles fazem para chamar a atenção do público.

      abs
      Diogo

  3. breno disse:

    querido ouça o like a prayer ou o ray of lights ou qual quer outro grande trabalho da madonna(madonna,erotica,bedtimes stories,music,american life,confessions on a dance floor)
    pra poder falar besteira

    madonna misturou mais elementos musicais em um único álbum do que a maioria dos artistas fizeram ao longo de toda carreira
    viajou além do pop foi pro rock,soul,folk,blues,r&b,disco,dance,electro,country e etc…
    se vc tive-se o minimo de conhecimento musical reconheceria as
    belas letras compostas por madonna e as ótimas sonografias produzida por madonna e seus produtores sua voz de fato não é la grandiosa mais ela possui sim um grande talento musical
    e não é vc que pode apagar isso

    a madonna é sim uma ótima empresária no sentido de música e é por isso que ela se mantém mais vc não pode dizer que ela é só uma
    sem-talento que usou o poder da imagem pra chegar onde chegou
    a única diferença da madonna pro michael,george ou o prince
    foi que ela foi mais inteligente pra usar toda sua imagem a favor de um estrondoso sucesso
    estude mais sobre música antes de falar besteira

    • Diogo Salles disse:

      Meu caro Breno,

      A cada nova tendência do mercado da música, a Madonna soube misturar elementos musicais que estavam em alta, para poder entregar um produto que pudesse fazer frente ao mercado. E, concordo com você, ela foi muito bem sucedida nisso. Mas não há muito como negar que ela foi mais esperta do que talentosa em todas essas empreitadas. Uma boa sacada aqui e ali, o resto era toda uma máquina trabalhando pra dela, compondo, produzindo e disseminando a nova “tendência” na mídia e entre os fãs.

      Mesmo algumas letras, percebe-se a forçação de barra em criar algo controverso ou algo que possa se encaixar como um “slogan”. Não tiro o mérito dela em nada disso. Estudou o mercado, trabalhou duro e teve visão em aceitar (ou reprovar) todas as coisas que ofereceram a ela.

      Mas vamos concordar: o tempo dela tá passando. Os encalhes já começam a constranger.

      Um abraço
      Diogo

  4. Siéllysson disse:

    Um excelente texto, áspero em alguns momentos para fãs. A artista Madonna pode ser objeto de estudo dentro do mundo do marketing,já na música com limitações, como você mesmo relatou, seus argumentos são pertinentes ao falar da mutação musical dela, o que a torna sempre uma grande novidade (estratégia de marketing). A história dela como artista é singular. Atualmente ela envereda por outras áreas como escritora, empresária de academias, moda, etc. Ninguém soube usar melhor da imagem do que ela, nem mesmo os mais talentosos.

    • Diogo Salles disse:

      Siéllysson, veja que curioso: a Madonna serve muito bem de “case” para alunos de marketing numa faculdade, mas serve muito pouco (ou nada) para discussões musicais aprofundadas.

      abs
      Diogo

      • Julio disse:

        Não ela é muito mais diversificada musicalmente que o proprio Michael jackson. Michael se divide em dois periodos musicas. Thriller e Off the wall eram um estilo só, nao tinha nada de novo, nada que James Brown o e outros ja nao tinham feito melhor e após Bad tudo ficou naquele estilinho de rock chinfrim. Michael sempre foi um marketeiro muito maior, nunca foi um artista excepcional como vc disse. Ele mal compunha, cantava mal, os shows eram sempre a mesma coisa e as mesmas danças sem falar do playback que reinava. Madonna nunca repetiu sonoridades, é uma compositora e letrista renomada e premiada por isso, ela sim foi responsável por uma relvolução sonora na musica pop, a musica dela sempre foi mais profunda e artistica, muito mais seria. Nem mesmo o trabalho mais escandaloso de Madonna era futil ou vazio. Like A Prayer afinal foi apontado pela critica como o mais proximo que a musica chega da arte. Erotica tem letras profundas, melodia nao convencional para epoca que foi lançado e tratava de assuntos muito mais relevantes e serios que o “quem é mal?” do Michael. Madonna tem clipe em acervo de museu, tem albuns aclamados pelo cunho artistico e vc diz que ela nao é uma artista competente? Vc me diz que Michael, o artista mais vazio, playbackero e nada inovador era excepcional? para de falar merda. Madonna nao é a melhor cantora, mas é uma ótima dançarina e produz todo o seu show, sempre houve espetaculo, mesmo na Virgin tour ou Whos that girl, onde era ela sozinha no palco praticamente, ela fez o que nenhum outro fez, remodelou o formato de um show pop com a Blond ambition e esse formato é usado até hj. Seu texto força a barra, eu estudo historia da arte e musica a alguns anos, tudo que vc disse sobre Madonna na vdd se aplica a Michael, Madonna é uma artista de vdd, Michael um hitmaker.

  5. Guilherme Weiss disse:

    Discordo quando você infere sobre a pouca relevância, “musicalmente” falando, de Madonna. Estou certo de que ela foi um dos maiores gênios do marketing pessoal de que temos notícia, mas musicalmente sua relevância é notável.

    A diferença é que o negócio de Madonna não resume-se apenas a música em si, expllicitamente. Ele envereda por diversos negócios e vende a própria imagem. Mas sua relevância musical é evidente.

    Ela não encaixa-se no padrão musical clássico como conhecemos, e por isso praticamente “inventou” o segmento pop como conhecemos hoje, e o pop é sim um seguimento da indústria musical. Portanto, ela é extremamente relevante.

    E como falarmos de Elvis, que certamente foi extremamente irrelevante se reduzirmos o debate apenas ao gênero Rap. Ou Aretha Franklin será totalmente irrelevante se limitarmos esse debate apenas ao gênero POP. Ou seja, o universo musical é muito maior do que um simples gênero, e todos eles devem ser respeitados como integrantes do pacote maior.

    Madonna é provavelmente a maior “Super Star” que o nosso planeta já conheceu. Ela construiu essa imagem, e esse contexto está morrendo com ela. Sabemos que sua relevância para o Show Business, para a luta feminista, para a indústria do entretenimento, e para tantos outros segmentos sociais é indiscutível, assim como ela é um dos maiores expoentes da música (Ela atendeu a diversos gêneros, e destacou-se com maestria no POP tornando-se provavelmente a maior artista solo de todos os tempos).

    Nenhum outro artista influenciou tantos outros e gerou tanto dinheiro para a indústria musical. E sim, devemos considerar música o gênero POP, respeitando todas as suas vertentes, sejam elas pirotécnicas, visuais, tecnológicas. Dezenas de suas canções influenciaram gerações de pessoas em todos os lugares do globo. Certa vez li de algum crítico musical que a relevância de Madonna poderia ser mensurada da seguinte maneira, antes de sua existência, as paradas musicais eram dominadas exclusivamente por homens. Depois de Madonna, por mulheres.

    Se podemos dizer que Beatles foi uma das maiores bandas de todos os tempos, podemos dizer que Elvis e Michael Jackson foramos maiores expoentes do Rock e do Pop, e provavelmente de toda a história da música. Podemos dizer também que muitas artistas femininas obteram extrema relevância, como Whitney Houston, Joplin, Dion, Aretha, entre outras… mas Madonna é maior artista musical feminina que o planeta já conheceu.

    Engraçado que ela mesmo já disse uma vez: eu sabia que não sabia cantar, então passei a usar e popularizei os remix, e modificações tecnológicas. Sabia que não sabia dançar, então passei a me coprometer diariamente. Sabia que não tinha o carisma no palco, então enchi de dançarinos e recursos tecnológicos. Frase da própria “mexi meus pauzinhos”. E depois dela, todos os sucessores fizeram o mesmo.

    • Diogo Salles disse:

      Guilherme, como eu disse, ela não revolucionou nada no aspecto musical, mas sim na indústria do entretenimento. MJ foi mais longe nesse sentido, porque conseguiu fundir pop, rock e R&B, criando uma proposta musical extremamente interessante e, ao mesmo tempo, atraente para a indústria do entretenimento. Já sobre os Beatles, depois de “Revolver”, a discussão em torno deles se tornou exclusivamente musical, já que eles começaram a se afastar do showbizz.

      Madonna nunca fincou o pé em nenhuma proposta musical. Foi apenas esperta em detectar as tendências e inserir sua marca em cada uma delas. O resto, os shows espetaculosos davam conta de manter o nome dela em evidência.

      Abraço
      Diogo

  6. Ramiro disse:

    A Madonna tem algo que me anima: ela pode não ser a melhor cantora ou a melhor guitarrista, mas ela sabe usar tudo isso para proporcionar ao mundo discussões sobre estilos paralelos à sua personalidade marginal, apesar de isso muitas vezes diminuir as vendas dela no comércio, pois as pessoas simplesmente a preconizaram, tão como preconizam a comunidade gay sempre apoiada por ela, por exemplo.

    Bem… ela comeu o pão que o diabo amassou e aguentou criticas bem mais elaboradas que a sua. Ela luta para fazer 81 shows no decorrer de pouco mais de 4 meses dançando e cantando (as vezes aceitável e outras não), dando o seu melhor, enquanto também cuida de 4 crianças que são muito bem educadas e viajam com ela nas turnês conhecendo a realidade multicultural do mundo. Fora isso… ela é filantrópica, economizando o dinheiro com impostos e investindo em pessoas, e tenta dirigir filmes.

    Ela sabe ser uma artista intimista, veja ela cantando no Oscar de 1991 – o Michael levou ela nesse dia -, a apresentação dela de Fever no SNL e ou ela cantando especialmente para pessoas como você em Like It Or Not na Confessions Tour… lhe garanto que você não verá os grandes efeitos que achas abusivo no sentido de impressionar o público, mas que para eu a complementam tão como o projetor para o professor ou o notebook para nós.

    O que falta para você entender é que a Madonna não está nem ai para o que quiser que falem dela e quando ela está… pode esperar que ela vai inverter o jogo ou tentar. Observe que de atriz difamada ela passou a ser a diretora razoável, por exemplo. Ela não para, algo semelhante a você, que mesmo odiado por muitos, não vai deixar de dar sua opinião.

  7. Pedro disse:

    Mas ela é uma cantora pop. o trabalho dela é isso.

    e sobre as grandes produções em shows.. grandes bandas usam a msm técnica.

  8. FILIPE disse:

    eu acredito que uma pessoa que nao conhece nada da musica de Madonna pode dizer que ela nao foi revolucionaria e etc. ouça os seus albuns veja suas turnes sua videografia letras musicais pra mim se juntar todos os albuns do MJ E DE TODAS AS BANDAS DE ROCK DO PLANETA SO O RAY OF LIGHT ANIQUILA TODOS SEM PRECISAR NEM MENCIONAR OS OUTROS as pessaos precisam de mais informaçao pra escrever uma materia como essa se eu fosse dar uma nota pra esse texto sem nexo seria 0!!

  9. CARLOS disse:

    Nenhum artista é unanime, mas certos comentarios soam ridiculos…”Thriller e Off the wall eram um estilo só, nao tinha nada de novo, nada que James Brown o e outros ja nao tinham feito melhor e após Bad tudo ficou naquele estilinho de rock chinfrim. Michael sempre foi um marketeiro muito maior, nunca foi um artista excepcional como vc disse…”Voce enloqueceu????Thriller conseguiu feitos que Madonna Jamais conseguirá,primeiro, ser dententora do disco mais vendido da historia da musica,Thiller é mais aclamado do que qualquer disco que Madonna tenha lançado.Segundo,Michel superou fatores sociais, como o racismo na industria da musica,negros não tocavam em certas radios “brancas” assim como clips de artistas negros não podiam ser exibidos na MTV, TRILLER rompeu a barreira da cor e quebrou tabus e paradigmas, e por falar em video clips,Michael REVOLUCIONOU a industria dos video clips,todos os artistas se beneficiaram com os clips de Michael, inclusive a propria Madonna.A musica,a MTV e os videos clips nunca mais foram os mesmos depois de TRHILLER e graças a Michael Jakcson e não a Madonna!!!e voce tem coragem de dizer que ele “nunca foi um artista excepcional”??????
    e tem mais:”Ele mal compunha, cantava mal, os shows eram sempre a mesma coisa e as mesmas danças sem falar do playback que reinava”…É só delirio….querido, Michel já nasceu artista, ele compunha tão mal que Thriller já passou de 100 milhoes de cópias,conseguiu com BAD, incluir 5 musicas na primeira posição do top 10 dos EUA, FEITO só alcançado por…KATY PERRRY…nem a pop star Madonna conseguiu..ele ganhou mais premios que Madonna! quanto a “cantar mal”…ele alcançava notas que Madonna nem com as aulas de canto poderia alcançar, alias, qualquer cantor ou cantora que se preze canta mais que Madonna!!!as “mesmas danças” que ele imortalizou e que são imitadas até hoje(só falta voce dizer que ele tambem não sabia dançar)
    “ela sim foi responsável por uma relvolução sonora na musica pop”…kkkk querido, vai se informar melhor sobre Michael Jackson, Sem Michal,ninguem faria nada de relevante hoje em dia.
    “Vc me diz que Michael, o artista mais vazio, playbackero e nada inovador era excepcional? para de falar merda…” ah, pare de falar merda voce…ele revolucionou tudo na musica …Sabe qual é o problema? é que voce não pode aceitar que Michael Jackson seja maior que Madonna