Tungcast#042: A cobertura musical em tempos de internet

imprensa

 

Baixe em mp3 (46MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Apresentando nosso convidado especial: Bruno do Amaral, do blog Tecnologiação.
02:00 – As publicações aqui no Brasil já enfrentavam problemas, com má distribuição, revistas mal editadas, sem público fiel. E a internet acabou sendo a pá de cal.
06:00 – “Por mais que se profissionalizem, as revistas sempre estarão atrasadas.”
07:00 – As revistas de guitarra focarem mais em equipamentos e lições para os guitarristas é uma boa estratégia?
08:00 – Ao tratar dos nichos específicos, os blogs especializados e fóruns cobrem melhor os assuntos do que o sites e revistas generalistas?
10:30 – Efeito bola de neve: sites como Blabbermouth e Whiplash acabam sendo pautados pelas fofocas da blogosfera e dos fóruns?
11:30 – O pior dos cenários: os fãs têm todas as informações, mas não têm senso crítico para escrever e os portais só querem multiplicar cliques com fofocas “bombásticas”.
13:00 – Falta uma separação entre o que é notícia e o que é boato nos grandes sites? A hierarquia e o trabalho de edição acabam se tornando cruciais.
14:00 – A Guitar Player ampliou o espaço para os equipamentos e lições de guitarra e as pautas começaram a se repetir (Steve Vai, Steve Morse…)
17:00 – Há público para as grandes matérias ou o negócio é só a fofoca mesmo? Há espaço (e leitores) para um Huffigton Post da música?
18:30 – A Rolling Stone brasileira trabalha com leis de incentivo e uma das condições impostas à revista era que todo o conteúdo fosse liberado no site — o que não acontece, na prática (para muitos, o problema maior é colocar o NX Zero pelado na capa).
20:30 – O jabá disfarçado de “serviço especiais”: viagens com tudo pago, almoços chiques, passeios de barco… Isso influencia no texto?
24:30 – Alguns artistas e bandas (como Gun N’ Roses) pagam a blogueiros para montar bunkers e barrar críticas e notícias negativas.
25:30 – Sobre os artistas que tentam “socializar” com o jornalista…
26:30 – Os bastidores da polêmica pré-audição do disco Chinese Democracy: fechada a alguns poucos jornalistas, a estratégia acabou se tornando um desastre.
28:00 – Quando o White Stripes voltar, é só fazer a mesma pré-audição com Lúcio Ribeiro, Thiago Ney e toda a turma do hype.
29:30 – A polêmica do jabá “Maria Rita/Veja”.
34:00 – A cobertura musical ainda segue muito os hypes idiotas da NME? Ficou mais pessoal e menos musical? Quando a Madonna veio ao Brasil, só se falou do “affair” dela com o tal Jesus Luz…
42:00 – Jornalistas brasileiros sabem cobrir os artistas do mercado interno? Ou é só o popularesco e as cantoras MPB que vão na onda do Caetano.
45:30 – Qual o futuro da cobertura musical? Agora é só seguir o Twitter dos artistas e ouvir o que tá pegando na LastFM? Continuaremos reféns do hype e do “modelo Forastieri de jornalismo”? Faltam artistas mais no estilo desbocado do Lobão?

One Response to “Tungcast#042: A cobertura musical em tempos de internet”

  1. Bruno do Amaral disse:

    Só atualizando: a cobertura da imprensa internacional sobre a morte de Amy Whinehouse mostrou bem que a fofoca e o hype já assassinaram a música na mídia.