Tungcast#039: Discos de 1991 (vol.2)

No segundo volume do especial Discos de 1991, com a entrada do grunge na cena, alguns dinossauros reciclaram seu som, como U2, Ozzy e Van Halen — enquanto que outros se aposentaram (por diferentes razões), caso do Queen, Dire Straits e Genesis.

 

Baixe em mp3 (53MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

Nota dos editores: outros álbuns de 1991 não aparecem aqui, mas estão em seus respectivos Tungcasts, como Metallica (Black Album), Guns n’ Roses (Use Your Illusion), Rush (Roll the Bones) e Michael Jackson (Dangerous). Além deles ainda tivermos Sting, com The Soul Cages e Yes, com Union.


U2 – Achtung Baby
Depois da saturação da fórmula dos anos 80, esse disco marcou a reviravolta na carreira deles, com uma influência mais europeia e uma nova abordagem sonora, com texturas e timbres sofisticados. Foi certamente o disco mais crucial da carreira do U2 e foi aí que eles se firmaram como uma das maiores bandas do mundo.
música ► “The Fly
___________________________________________


Van Halen – For Unlawful Carnal Knowledge
Último grande álbum do Van Halen, sucesso de crítica, público e até entre os fãs xiitas. A produção trazia de volta Ted Templeman, que foi quem produziu os seis primeiros álbuns com David Lee Roth. Eddie Van Halen deixou os teclados um pouco de lado e mostrou todo o seu arsenal de guitarras e seu infindável vocabulário musical.
música ► “Poundcake

___________________________________________


Queen – Innuendo
Despedida digna de uma das maiores bandas do rock, lançado meses antes da morte de Freddie Mercury. Alterna momentos megalonaniacos (faixa-título) com coisas pueris (“These Are the Days of Our Lives”) e a velha pegada rock dos anos 70 (“The Hitman”). Um disco diametralmente oposto à “volta” deles em 2008 com o asqueroso, venal e oportunista “Queen+Paul Rodgers”.
música ► “Innuendo

___________________________________________


Ozzy Osbourne – No More Tears
Para muitos, o melhor disco da carreira do Ozzy. Depois da morte de Randy Rhoads, ele voltava com tudo trazendo Zakk Wilde no auge, com grandes riffs, solos antológicos (como na faixa-título) e ótimas composições. Foi a redenção definitiva do Madman, que reconsiderou sua aposentadoria após a turnê “No More Tours”.
música ► “Desire
___________________________________________


Genesis – We Can’t Dance
Último disco de estúdio com Phil Collins no vocal (a banda ainda tentaria com outro vocalista em 1997, mas foi ignorada pelos fãs) que alterna momentos pop (influência da carreira solo do Phil) e algumas faixas mais longas, que remontavam o antigo Genesis progressivo.
música ► “Jesus He Knows Me
___________________________________________


Dire Straits – On Every Street
Último disco da banda, teve boa repercussão e rendeu uma turnê de despedida. É menos pop do que o antecessor Brothers in Arms (1985), tem timbres de guitarra mais sutis e flerta perigosamente com o country em alguns momentos — o que seria um prelúdio para Mark Knopfler seguir carreira solo.
música ► “On Every Street
___________________________________________


The Cult – Ceremony
Depois do início gótico e da imersão no rock de arena, eles lançam seu último grande disco, com a tradicional pegada hard rock e belos momentos acústicos. Depois em 1994 eles tentariam “modernizar” seu som com elementos eletrônicos e guitarras mais sujas (influência do grunge?).
música ► “Wild Hearted Son

Ouça também
Tungcast#038: Discos de 1991 (vol.1): a chegada do grunge
Ouça a série completa: Discos que completam 20 anos

Comments are closed.