Tungcast#038: Discos de 1991 (vol.1)

Primeiro volume do especial Discos de 1991, relembramos a era em que não havia internet nem TV a Cabo e a MTV era referência entre os jovens. Foi um ano em que ocorreram profundas mudanças na indústria fonográfica. Metaleiros festivos deram adeus ao mainstream, para a entrada do grunge, um som mais sujo e direto.

 

Baixe em mp3 (52MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”


Nirvana – Nevermind
Após o disco de estreia Bleach (1989), eles se distanciaram um pouco do som de garagem. O produtor Butch Wig “limpou” um pouco a microfonia e soube dar um ar mais pop ao som do Nirvana (mas sem pasteurizar), preservando o estilo sujão e autodestrutivo da banda.
música ► “In Bloom
___________________________________________


Soundgarden – Badmotorfinger
Única banda grunge que chegou em 1991 com alguma estrada, já possuia uma boa bagagem no underground dos anos 80. Com uma proposta mais sombria e “arrastada”, guitarras sofisticadas (com enorme amplitude) e trazendo Chris Cornell no máximo de sua performance vocal.
música ► “Rusty Cage
___________________________________________


Pearl Jam – Ten
Com esse disco de estreia, estourou nas rádios e na MTV, com uma proposta diferente (e mais palatável) do que o Nirvana. Eddie Vedder se tornou o poeta do grunge e o som da banda trazia a urgência e a energia juvenil, com guitarras vigorosas, letras fortes e ótimos arranjos.
música ► “Once
___________________________________________


Red Hot Chili Peppers – BloodSugarSexMagik
Melhor álbum da banda. Disparado. Mostrava um som amadurecido pela experiência que tiveram nos anos 80. A produção de Rick Rubin estava afiada, sabendo escolher o melhor repertório em mais de 50 músicas gravadas. Ótimas guitarras, linhas de baixo funkeadas, letras irônicas e muita criatividade.
música ► “The Power of Equality
___________________________________________


Lenny Kravitz – Mama Said
Em seu segundo álbum, ainda trazia fortes influências em Hendrix, Zeppelin, Stones e Stevie Wonder, mas o lado autoral começava a aparecer aos poucos. Fez de sua separação da atriz Lisa Bonet o tema central do disco, como atesta o mega-hit “It Ain’t Over Till It’s Over”.
música ► “Always On the Run
___________________________________________


Mr. Big – Lean Into It
Como em toda a carreira, esse disco soa irregular e traz o lado mais venal da banda, com a hedionda balada “To Be With You”. Apesar de ter ficado na sombra do grunge, o álbum traz momentos criativos e músicas que mostravam todo o virtuosismo de Billy Sheehan e Paul Gilbert.
música ► “Daddy, Brother, Lover, Little Boy
___________________________________________


REM – Out of Time
Precursores do “indie” nos anos 80, fugiram o quanto puderam do assédio das gravadoras. Depois de fechar com a Warner em 88, Out of Time era o primeiro sucesso da banda no mainstream, com massiva divulgação na MTV e clipes hiper-hypados como “Losing My Religion” e “Shinny Happy People”.
música ► “Radio Song

Ouça também
Tungcast#039: Discos de 1991 (vol.2): dinossauros se reciclando
Ouça a série completa: Discos que completam 20 anos

6 Responses to “Tungcast#038: Discos de 1991 (vol.1)”

  1. david Dias disse:

    Po cara.. que maldade vocês fizeram com o Mr. Big. tudo bem que to be with you é a musiquinha famosinha deles e a banda tem uma série de outras musicas excelentes..

    Mas a baladinha é bacana.. boa pra se curtir num domingo a noite, depois do fantástico, com uma garrafa de vinho, um fondue de queijo e uma noite de volúpias.

    Abraços moçada…

    • Diogo Salles disse:

      Caro David, não podemos ser condescendentes com ninguém, quanto mais com bandas vendidas como o Mr Big.

      Ao invés de a banda explorar musicalmente seu enorme potencial, eles preferiram fazer o cover de uma música pífia usando os velhos truques da indústria, com violãozinho de luau e clima pop radiofônico.

      Esse tipo de coisa é duplamente ruim, pois não só joga a banda numa classificação pop (que não é a dela) como também esconde as ótimas músicas que eles fazem.

      Obrigado pela audição
      Abs
      Diogo

  2. Rafael Fernandes disse:

    Nobre colega de Tungcast Diogo Salles:

    Concordo com seus argumentos, porém, uma correção: “To Be With You” é do próprio Mr. Big (na verdade do vocalista Eric Martin com um parceiro de fora). O cover a que você se refere é “Wild World” (do Cat Stevens), do disco seguinte, Bump Ahead, de 1993.

    Na verdade o fato de “To Be With You” ser da banda só corrobora os argumentos…rs

    Rafael Fernandes

  3. Jimivox disse:

    Pois é, não entendo pq só conhecem o Mr Big por to be with u, tem muita coisa boa da banda q ficaram sufocadas pela balada xoxa…

    Mas não posso negar q vez por outra tiro um C#m e começo a cantar essa merda…

  4. Caio disse:

    Grunge soh foi mais uma modinha aborrecente que nem emo e punk, soh que a mtv implantou na cabeça da garotada que Kurt eh um deus!!