Tungcast#035: O futuro da produção musical

Os sócios do estúdio Ultra-sônica André Hunnicutt Cortada (em pé) e Marcos Yukio

Os sócios do estúdio Ultra-sônica André Hunnicutt Cortada (em pé) e Marcos Yukio

 

Baixe em mp3 (46MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Apresentação: Marcos Yukio, produtor musical e sócio do estúdio Ultra-sônica
02:00 – Engenheiro e guitarrista, tocou em bandas de metal e abriu o estúdio em 2000.
06:00 – Nem todos os artistas sabem da separação entre o produtor musical (que cuida da parte artística) e o engenheiro de som (que cuida da parte técnica).
08:30 – O mp3 é um padrão sonoro abaixo em qualidade de som — onde se perde todas as timbragens, graves e agudos —, e que está afetando o mercado e os novos profissionais que estão chegando.
15:30 – O que mudou nesse ramo com a decadência das majors? Artistas passaram a se auto-produzir e precisam pensar em vendas. A pasteurização, antes culpa das majors, hoje é culpa do próprio artista.
22:30 – A geração ejaculação precoce: sai baixando discografia de bandas como Led Zeppelin e Deep Purple, tiram 2 ou 3 músicas e acham que já conhecem tudo de rock.
24:15 – O fechamento dos grandes estúdios abriu espaço para estúdios comerciais menores ou até caseiros? A solução é diversificar na publicidade, nas locuções, jingles…
29:00 – Ainda existe espaço no mercado para a música bem gravada, bem produzida e mixada? Segundo Marcos, a música (como alta cultura) virou peça de museu.
31:00 – As 3 categorias de músico hoje: músicos que possuem carreiras paralelas em outras áreas, músicos pagos por empresas privadas e os indies estatais.
32:30 – “As empresas usam a Lei Rouanet só para aparecerem na mídia” (…) “Muitos artistas usam a verba estatal como salário e tudo cai num conformismo” (…) “O inconformismo é que deve ser o combustível de qualquer arte”
37:00 – O paradoxo no mercado da música: o romantismo da “arte pela arte”, sem pretensões financeiras vs. indies estatais e artistas que só pensam em dinheiro
40:00 – Músicos amadores estão se equiparando aos profissionais? Muitas bandas estão tocando em festas empresariais e casamentos porque é lá que está o dinheiro.
42:00 – Alguns artistas que passaram pelo Ultra-sônica: André Mattos (com produção do Roy Z), Leões de Israel, Viper, Kiko Loureiro e Wanessa Camargo.
44:00 – “Artistas assumidamente bregas são mais bem resolvidos com relação ao seu som e produzem trabalhos mais honestos.”
46:00 – O futuro da música está nas mãos de quem acha que “Back in Black” é da Shakira e “I Love Rock n’ Roll” é da Britney Spears…
48:00 – Encerramento: “Espero que a música seja tratada com mais carinho, que os artistas sejam mais honestos e que tenham em mente o tipo de som que querem fazer”

Comments are closed.