Tungcast#027: Relações sociais no século 21

Contra-capa do álbum OU812, do Van Halen

Contra-capa do álbum OU812, do Van Halen

 

Baixe em mp3 (41MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 – Apresentando — mais uma vez — Luis Eduardo Matta, convidado especial.
01:00 – A vida nas grandes cidades: as cobranças, as pressões, o isolamento defensivo e os falsos conceitos de “sucesso”.
04:00 – O conceito da liberdade compulsória: vende-se a ideia da revolução comportamental, mas se criou outras prisões, relacionadas à velocidade da vida e aos avanços tecnológicos.
08:00 – A vida virtual suplantou a vida real? As redes sociais estão substituindo os encontros pessoais?
10:00 – A internet é invasiva? Com e-mail, celular, Twitter, as pessoas deixaram de ter horário para trabalhar?
12:00 – As pessoas estão se auto-anulando para poder ganhar dinheiro e agradar às suas famílias ou à sociedade.
16:00 – As famílias fazem uma “pressão amigável” para que você tenha o estilo de vida mais bem aceito na sociedade?
17:00 – Vivemos uma era de transição: a pressão financeira sofrida pelos homens mostram que ainda não abandonamos completamente esses valores anacrônicos.
19:00 – Os conceitos de “classe média” e “elite” se tornaram pejorativos e criaram nas pessoas uma vergonha de ter dinheiro (mesmo tendo ganho honestamente). O exemplo de Jorge Amado.
23:30 – Mulheres: a sexualidade exagerada, as cobranças estéticas e o desejo da juventude eterna são consequências de séculos de repressão sexual? Uma pessoa viciada em pornografia é uma pessoa reprimida sexualmente?
27:00 – A internet é uma caixa de pandora, onde as pessoas revelam seu lado B.
29:00 – O comodismo nas relações amorosas. Por que tanta gente que casa “por que está na hora”? Por que tanta gente prefere uma má companhia à solidão?
32:00 – Pessoas que não estão preparadas para serem pais acabam sendo negligentes na criação de seus filhos.
34:30 – O orgulho de ser mal-educado e a falta de auto-crítica. A covardia pode ser uma estratégia? O exemplo de D. João VI.
37:30 – As brigas no trânsito. Por que tantos homens usam o carro como instrumento fálico e de auto-afirmação?
38:30 – Encerramento: estamos complicando coisas simples e banalizando coisas importantes?

Para ler e refletir
Entrevista com Luis Eduardo Matta no Digestivo Cultural

3 Responses to “Tungcast#027: Relações sociais no século 21”

  1. Carla Ceres disse:

    Tungcast maneiríssimo! Parecia que vocês estavam conversando sem limitações de tempo e pauta. Vou retuitar. Beijos!

  2. Ram disse:

    Gostei do topico e ja tive conversas deste tipo com o LEM. Mas gostaria de apontar um lado mais sutil nesta discussao. Por exemplo, a pressao pelo sucesso nao esta so no campo do dinheiro. As pessoas se comportam da mesma maneira em outros campos tambem. No campo da criação, existe competição, e o equivalente ao dinheiro é o ego. Os familiares sao os outros do seu meio. E os casamentos de conveniencia acontecem aos montes, entre panelinhas, etc. A tipica discussao da vantagem do meu carro contra o seu, sao as tipicas conversas em que cada um fala do que fez sem parar, e demonstrar relacoes de poder e sucesso com outros bem estabelecidos em sua area…

    As mesmas relações de vantagem e poder que se observam entre um grupo de MBAs, aparece em outros grupos, como de cientistas, escritores, jornalistas, etc…

    Acho que a questao da internet e que ela liberta mais as pessoas para estes comportamentos. Por outro lado, a ganancia pela fama, pelo sucesso, por “criar” nao é diferente daquela por dinheiro. So porque o campo é criativo, nao deixa de ser material.

    Eu tenho lido e praticado um pouco de filosofia oriental. E talvez há uma dimensao que perdemos na discussao ocidentalizada: a existencia do Ser e da mente com seus cinco sentidos como entes separados. Nao é necessario nenhuma crença mística para esta discussão… Mas certamente explica porque um artista ou cientista em busca do sucesso e um banqueiro sao muito mais parecidos do que queremos imaginar.

    So existe uma metrica em que podemos mensurar o mundo: o auto-conhecimento…

  3. Diogo Salles disse:

    Ram, entendo perfeitamente o que quer dizer. O que une um banqueiro sem escrúpulos, um escritor vaidoso e um artista egocêntrico? A ambição.

    Agora, existem maneiras e maneiras de se lidar com a ambição. Se a pessoa souber usá-la apenas em benefício próprio (e em malefício de terceiros), chegamos no ponto onde existe a separação entre o que é considerado correto e errado na sociedade. O problema é que cada um tem uma interpretação muito pessoal dessa barreira entre o certo e o errado, não é mesmo?

    abs
    Diogo