Tungcast#004: O formato álbum acabou?

pinkfloyd

 

Baixe em MP3 (40MB) – clique com o botão direito e escolha “salvar como”

00:00 - Apresentação: A declaração de Ian Astbury, que disse que o The Cult não vai mais lançar discos.
01:00 – As restrições tecnológicas antes do álbum surgir e a pulverização do conceito agora, com o mp3.
03:20 - A mudança do conceito quando os Beatles decidem parar de fazer shows e se concentrar apenas nos álbuns.
05:00 - As pessoas só conhecem o Extreme por causa de “More Than Words” e “Hole Hearted”, mas eles eram muito mais do que isso.
07:00 - Artistas que têm mais a dizer, como U2 e Rolling Stones, precisam de um álbum inteiro.
08:30 - A indústria criou o padrão do álbum e o impôs a artistas sem profundidade.
09:10 - Artistas reféns do álbum: o Van Halen lançou Diver Down em 1982 por imposição da gravadora.
09:50 - O Mr. Big se tornou o ícone da prostituição musical. Tendo Paul Gilbert e Billy Sheehan na banda, preferiram tocar baladas vergonhosas como “To Be With You”.
10:50 - O artista precisa ouvir os fãs, mas não pode fazer tudo o que eles querem, como faz o Iron Maiden.
12:00 - Os Beatles gravaram “Strawberry Fields Forever” e “Penny Lane” nas sessões do Sgt. Peppers, mas as lançaram num EP, antes do álbum sair.
14:00 - Antes do U2 lançar No Line on the Horizon, saiu o single “Get On Your Boots”, que é justamente a pior música do álbum.
15:30 - Ainda tem espaço para álbuns conceituais? O álbum é um conceito muito linear?
16:40 - Artistas usando ARG (Alternate Reality Game), onde eles deixam dicas para os fãs descobrir trechos da música por meio de um jogo.
21:00 - A decadência do conceito álbum pode ser o retorno do EP ou do compacto?
22:30 - No show do Radiohead, as pessoas quase dormiram em músicas “lado B”, só queriam saber dos clássicos.
24:00 - Pesquisando CDs do Red Hot Chili Peppers, tinha uma coletânea só composta por baladinhas descartáveis. O BloodSugarSexMagic mostra o que é a banda e ainda traz a relevância do conceito álbum. Já Stadium Arcadium é um CD duplo, mas deveria ser simples (*nota: o nome correto da música citada é “Storm in a Teacup”).
27:00 - O MySpace é só um canal a mais de divulgação, nada além disso.
29:00 - Com a “indústria do hype”, o artista também fica refém de produzir um hype a cada seis meses. O Green Day fez o caminho inverso: começou refém da indústria e dos singles e partiu para o álbum conceitual, com o American Idiot.
32:00 - “Sou refém do álbum, pois ouvi o novo álbum do U2 com as faixas em ordem alfabética e fiquei perdido com a sequência das músicas.”
34:00 - Os artistas de uma música só, como New Radicals ou Presidents of USA … Download (ou streaming) neles!
36:00 - Momento “Maroon 5 acústico”: uma banda que tenta ser bacaninha, mas é medíocre.
38:00 - Sgt. Peppers e The Wall foram concebidos desde o início como álbuns conceituais, que conseguiram unir músicas que funcionam individualmente, sem fugir da temática do disco.
41:30 - Encerramento: “Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band” (Beatles)

Links relacionados
Ensaio de Ruy Castro: O disco ― ou algo do gênero

2 Responses to “Tungcast#004: O formato álbum acabou?”

  1. Ram disse:

    Diogo,

    Vale lembrar que o impacto do Sgt. Peppers foi em parte surgir o disco com tantas musicas legais, com encarte especial, foi um conceito… Existem muitos outakes de Sgt Peppers, e talvez no modelo “moderno”, eles teriam lancado 3 discos ao inves de 1…

    Mas realmente, quantas bandas sao os Beatles? A maioria dos grupos se beneficiam em vender musicas individuais… Me parece que o mais importante para a musica e promove-la com shows ao vivo, acessiveis… Musica em grande parte e resposta emocional, mais ate que um livro, ou outros formatos culturais…

    Uma sugestao so, seria legal se voces pudessem fazer um sumario das discussoes (15 min?) com os melhores momentos.

    Abs
    Ram

  2. brezilya fönü disse:

    Mas realmente, quantas bandas sao os Beatles? A maioria dos grupos se beneficiam em vender musicas individuais… Me parece que o mais importante para a musica e promove-la com shows ao vivo, acessiveis… Musica em grande parte e resposta emocional, mais ate que um livro, ou outros formatos culturais…